As cartas de aceitação e notificação do LASA2023 foram enviadas a 17 de novembro de 2022.
LASA2021 Crisis global, desigualdades y centralidad de la vida

Sobre o LASA2021

Crisis global, desigualdades y centralidad de la vida

A crise global desencadeada pela expansão da COVID-19 pelo planeta teve consequências dramáticas na América Latina, testando a capacidade dos Estados de proteger seus cidadãos. As consequências da doença, entendida como um evento social e político, revelaram as deficiências estruturais dos países da região e a persistência de dinâmicas de desigualdade, exclusão e autoritarismo.

As consequências para a economia também têm sido devastadoras em uma região que já vivia problemas de crescimento e processos de concentração de riqueza. A pandemia tem tido efeitos profundos nos processos de reprodução social e na vida cotidiana de muitos setores sociais do continente. Por outro lado, esta crise também desencadeou profundas reflexões sobre a centralidade da vida e do cuidado nos modelos econômicos e sociais, a urgência de enfrentar as desigualdades sociais, o imperativo de agir diante da devastação ambiental e também o imperativo de garantir processos democráticos.

Além disso, a COVID-19 ocorre em um momento em que há maior conectividade global. Paradoxalmente, medidas que restringem a mobilidade e confinam as pessoas aos espaços nacionais estão surgindo em praticamente todos os países, e estas têm gerado políticas de controle das populações e de seus corpos. Estes processos terão, sem dúvida, efeitos duradouros na vida pública e privada.

O congresso da LASA em Vancouver 2021 tem o propósito de chamar as pessoas que estudam as sociedades e culturas da América Latina e do Caribe à reflexão sobre as lógicas que inscrevem a região nos processos de globalização contemporânea, sobre os impactos que esses processos têm tido na vida de seus habitantes, na arquitetura institucional dos Estados e na dinâmica cultural do continente. A gestão da crise, mas sobretudo suas consequências sobre os grupos mais vulneráveis, expressam a necessidade de refletir sobre as causas dessa vulnerabilidade, tanto em termos históricos como conjunturais.

A crise atual, de fato, exacerba várias tendências que já estavam presentes na vida social, cultural, econômica e política da região. Nós experimentamos fenômenos dramáticos da mobilidade humana ilustrados pelos êxodos e deslocamentos em massa dentro da região ou para as sociedades dos centros econômicos do mundo. Certas dinâmicas políticas autoritárias em contextos de emergência também foram reforçadas. O lento crescimento econômico e a exacerbação das desigualdades estruturais estão evidenciando a dinâmica dos mercados de trabalho caracterizados pela informalidade e precariedade. Finalmente, a persistente exclusão dos povos indígenas e afrodescendentes e vários cenários de violação dos direitos humanos são processos que mostram que a necessidade de deliberar sobre a democracia é mais prevalecente do que nunca na região.

No último ano, a América Latina e o Caribe viveram situações de protesto social particularmente generalizadas em vários países da região. Mobilizações de massa foram realizadas não apenas em torno dos problemas básicos que geram essas reações, como a pobreza e a injustiça social, mas também demandas relacionadas à luta contra a violência de gênero e o feminicídio, a legalização do aborto, o desaparecimento forçado, a defesa dos recursos naturais e dos territórios; a mobilização pela paz e contra os assassinatos seletivos; e, é claro, a democracia. O protesto social se torna um local estratégico para a compreensão das culturas políticas e dos limites de nossos sistemas políticos em diferentes escalas, local, nacional e global.

A crise atual gerou uma série de rupturas que também mostram as reminiscências de diversas expressões e práticas de autoritarismo na América Latina. Os eventos do ano passado nos convidam a repensar a situação atual sem esquecer o passado e seu patrimônio, a exercitar a memória coletiva a fim de identificar as múltiplas respostas culturais e sociais que foram formuladas em outros períodos críticos. Neste sentido, é necessário refletir sobre as diferentes manifestações de poder e as respostas que as sociedades construíram ao longo da história para expressar seu descontentamento e suas propostas de mudança.

Novos desafios colocam estados e sociedades na América Latina e no Caribe em tensão. Esta convocatória para o congresso LASA2021 também é uma convocação para contribuir com nossas disciplinas e campos de conhecimento para o debate em torno do acesso à justiça, direitos básicos e construção e consolidação de regimes democráticos.

Por fim, ter a natureza global do COVID-19 como eixo de discussão também oferece a oportunidade de vincular debates entre as ciências sociais, as humanidades e outras ciências, como a biologia e as ciências da saúde. Esperamos que este congresso também possibilite essas pontes.

Esta chamada aposta em um congresso híbrido, que permita a participação presencial na cidade de Vancouver - se a evolução da situação global da saúde permitir -, bem como virtual.