Junte-se à LASA2024 em Bogotá ó virtual! Prazo para inscrição: 10 de março
LASA2024 Reacción y resistencia: Imaginar futuros posibles en las Américas

Sobre o LASA2024

Reacción y resistencia: Imaginar futuros posibles en las Américas

Tendências compensatórias de reação e resistência são hoje evidentes nas Américas. O declínio do apoio aos valores e instituições democráticos e o ressurgimento do autoritarismo, a ascensão de movimentos e partidos de extrema direita, a desigualdade econômica e a insegurança, agravados pela pandemia, estão gerando ansiedade e medo. Ao mesmo tempo, os esforços a nível local para fortalecer os direitos, promover sistemas políticos e econômicos mais inclusivos e reverter os legados do colonialismo, combinados com o retorno de governos progressistas em muitos países da região, despertam a esperança de que novos futuros são possíveis. A exploração destas tendências compensatórias será o foco do próximo Congresso Internacional da Associação de Estudos Latino-Americanos, que ocorrerá de 12 a 15 de junho de 2024 em Bogotá, na Colômbia. Acadêmicos, profissionais e ativistas são encorajados a participar com as suas reflexões e análises das forças de reação que estão gerando ansiedade sobre o futuro e as formas coletivas de resistência e mudança social progressista que nos permitem ousar sonhar com novos futuros baseados na igualdade, justiça e inclusão.

As tendências regressivas são evidentes em todo o continente americano. Temos visto a ascensão de populistas de direita como Nayib Bukele em El Salvador e Jair Bolsonaro no Brasil; o recuo democrático da Guatemala para o Peru; e o endurecimento de regimes autoritários como o de Ortega-Murillo na Nicarágua. As ideologias de direita também estão em ascensão, desde movimentos protofascistas a grupos que promovem tropos de "guerras culturais" tais qual a "ideologia do género". Estes movimentos, frequentemente de natureza transnacional, estão moldando fundamentalmente a forma como a política local se desenrola em muitas partes da região. Ao mesmo tempo, a pandemia pôs em evidência as profundas desigualdades, os serviços públicos vacilantes, as hierarquias raciais duradouras e a violência sistêmica que caracterizam as Américas. Estamos ainda avaliando o impacto a longo prazo da devastação provocada pela COVID-19 e como esta está reformulando a nossa forma de pensar sobre o trabalho, o bem-estar e a organização das nossas ordens sociais e políticas. Outra causa de ansiedade sobre o futuro das Américas é a crise climática e a exploração contínua dos recursos naturais sem consideração pelo impacto nas comunidades indígenas e no ambiente.

Por contraste, vários países das Américas viram governos progressistas tomar posse, enquanto em outros, movimentos sociais de base ampla exigem um aprofundamento democrático e a construção de sociedades mais inclusivas e justas. Exemplos incluem o Chile, onde os movimentos sociais têm exigido mudanças no sistema político e econômico herdado da ditadura de Pinochet e um presidente "milenar" de esquerda promete implementar reformas abrangentes, e o Brasil, onde o regresso de Lula à presidência suscita esperanças de que o recuo democrático e outras políticas regressivas, incluindo a devastação da Amazônia, possam ser revertidos. No Peru, movimentos sociais de massas, com comunidades indígenas na liderança, estão desafiando um sistema que excluiu historicamente as suas vozes e interesses; enquanto na Colômbia, após décadas de conflito civil, um ex-guerrilheiro e uma mulher afro-colombiana foram eleitos para liderar a nação numa plataforma de mudança social progressiva e de consolidação do processo de paz. Em toda a região, as mulheres continuam a exigir autonomia corporal e direitos reprodutivos, com importantes ganhos em lugares como a Argentina e o México. Os povos indígenas do Chile ao Brasil e à América Central organizam-se para proteger a sua terra, o ambiente e a sua autonomia cultural. Estas formas coletivas de resistência, combinadas com movimentos políticos progressistas a nível nacional em muitos países da região, ajudam a articular novas formas de imaginar caminhos possíveis para uma mudança política, social e econômica progressista e voltada para a construção de novos modelos de governança mais inclusivos e representativos e que deem prioridade à dignidade humana e ao bem-estar.

Neste contexto de crescente ansiedade acerca do estado do nosso mundo e de expectativas de mudança progressista, convidamos os acadêmicos, profissionais e ativistas a apresentarem propostas que reflitam sobre estas questões. Como são as formas coletivas de resistência e forças progressistas de mudança imaginando novos futuros para as Américas? Como compreendemos as tendências contrárias na região, incluindo o recuo democrático, o aumento do populismo autoritário, a continuação da desigualdade e a crise climática? Como é que nós, enquanto acadêmicos, ativistas e profissionais, contribuímos com a produção de conhecimento, investigação em colaboração e outras intervenções para desafiar estas tendências regressivas e construir futuros novos e progressistas na região? Esperamos que este Congresso da LASA na Colômbia, onde um novo governo está tentando implementar uma plataforma política progressista com o apoio de diversos movimentos sociais, seja um espaço para uma reflexão produtiva sobre estas tendências compensatórias e os desafios e esperanças que elas apresentam para imaginar possíveis futuros nas Américas.